A clínica do Acompanhamento Terapêutico como pesquisa psicanalítica: uma escrita com e entre vários

Lorenna Pinheiro Rocha, Analice de Lima Palombini

Resumo


O presente trabalho aborda a temática do método clínico na pesquisa em psicanálise, a partir da experiência de atendimento de um adolescente desde a perspectiva do Acompanhamento Terapêutico (AT). Tomando a pesquisa em psicanálise como uma produção marcada pela indissociabilidade entre saber teórico e prática clínica, discutiremos o método da construção do caso clínico, entendida como uma ficção produzida pelo encontro que a clínica promove. Apresentaremos, nesse contexto, a experimentação de uma “escrita COMpartilhada” com o adolescente acompanhado, abrindo a possibilidade de que ele escreva, reescreva e ressignifique a sua própria história, produzindo, assim, novos sentidos para si. 


Texto completo:

Sem título

Referências


ARAÚJO, F. (2005). “Um passeio esquizo pelo acompanhamento terapêutico: dos especialismos clínicos à política da amizade”. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Estudos da Subjetividade, Universidade Federal Fluminense, Niterói.

ASSOUN, (1981/1983) Introdução à epistemologia freudiana. Rio de Janeiro: Imago.

BERLINCK, M. T. (2009). O método clínico: fundamento da psicopatologia. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, v. 12, n. 3. São Paulo: Editora Escuta Ltda., p. 441-444.

CALVINO, I. (1972). Cidades Invisíveis. São Paulo: Biblioteca Folha.

DI CIACCIA, A. (2005). “A prática entre vários”, in: LIMA, M. M. & ALTOÉ, S. (orgs.). Psicanálise, clínica e instituição. Rio de Janeiro: Rios Ambiciosos.

FÉDIDA, P. (1991). Nome, figura e memória – a linguagem na situação psicanalítica. São Paulo: Editora Escuta.

FIGUEIREDO, A. C. (2004). A construção do caso clínico: uma contribuição da psicanálise à psicopatologia e à saúde mental. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, v. VII, n. 1. São Paulo: Editora Escuta Ltda., p. 75-86.

FREUD, S. (1909/2006). Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago. “Análise de uma fobia em um menino de cinco anos”, vol. X, p. 13-136.

______. (1912/2006). Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago. “Recomendações aos médicos que exercem psicanálise”, vol. XII, p. 123-136.

______. (1933[1932]/2006). Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago. “Conferência XXXIV – Explicações, aplicações e orientações”, vol. XXII, p. 135-154.

KUPFER, M. C. M., JERUSALINSKY, A. N., BERNARDINO, L. M. F., WANDERLEY, D., ROCHA, P. S. B., MOLINA, S. E., SALES, L. M., STELLIN, R., PESARO, M. E. & LERNER, R. (2009). Valor preditivo de indicadores clínicos de risco para o desenvolvimento infantil: um estudo a partir da teoria psicanalítica. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, v. 6, n. 1. São Paulo: Editora Escuta Ltda., p. 48-68.

LACAN, J. (1954-1955/1985). O Seminário, Livro 2: o eu na teoria de Freud e na técnica da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

______. (1962-1963/2005). O Seminário, Livro 10: a angústia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

______. (1964/1988) O Seminário, Livro 11: os quatro conceitos fundamentais da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

LIMA, M. C. P., MARTINS, K. P. H., ROCHA, L. P., JÚNIOR, P. A. P., CASTRO, I. P., PINHEIRO, N. M., & DOMINGUES, M. (2013). Arte e mediação terapêutica: sobre um dispositivo com adolescentes na clínica-escola. Revista Mal-Estar e Subjetividade, v. XIII, n. 3-4. Fortaleza: Universidade de Fortaleza, p. 775-796.

MORAES, M. (2010). “PesquisarCOM: política ontológica e deficiência visual”, in: MORAES, M. & KASTRUP, V. (orgs.). Exercícios de ver e não ver: arte e pesquisa com pessoas com deficiência visual. Rio de Janeiro: Nau Editora.

PALOMBINI, A. L. (2002). Passagens obstruídas: quartos privativos, mínimas janelas. Revista da Associação Psicanalítica de Porto Alegre: Clínica da Adolescência, n. 23. Porto Alegre: APPOA, p. 63-68.

______. (2007). “Psicanálise a céu aberto?”, in: Comissão de Aperiódicos da Associação Psicanalítica de Porto Alegre. (org.). Psicose: aberturas da clínica. Porto Alegre: APPOA.

______. (2008). Programa de Acompanhamento Terapêutico na Rede Pública: um projeto de ensino, pesquisa e extensão [Mimeo]. Universidade Federal do Rio Grande do sul, Porto Alegre.

______. (2009). Utópicas cidades de nossas andanças: flânerie e amizade no Acompanhamento Terapêutico. Fractal: Revista de Psicologia, v. 21, n. 2. Niterói: EdUFF, p. 295-318.

PALOBINI, A. L., ONOCKO-CAMPOS, R.T., SILVEIRA, M., GONÇALVES, L. L. M., ZANCHET, L., XAVIER, M. A. Z., & MARQUES, C.C. (2013). Relações entre pesquisa e clínica em estudos em cogestão com usuários de saúde mental. Ciência & Saúde Coletiva, v. 18, n. 10. Rio de Janeiro: ABRASCO, p. 2899-2908.

RASSIAL, J-J. (1999). O adolescente e o psicanalista. Rio de Janeiro: Companhia de Freud.

RINALDI, D. L. & ALBERTI, S. (2009). Psicanálise, saúde mental e universidade. Estudos e Pesquisas em Psicologia, n. 9. Rio de Janeiro: UERJ, p. 533-545.

ROSA, M. D. (2004). A pesquisa psicanalítica dos fenômenos sociais e políticos: metodologia e fundamentação teórica. Revista Mal-Estar e Subjetividade, v. IV, n. 2. Fortaleza: Universidade de Fortaleza, p. 329 – 348.

RUDGE, A. M. (2012). Método clínico, ciência e subjetividade. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundundamental, v. 15, n. 2. São Paulo: Editora Escuta Ltda., p. 235-239.

SIMONI, A. C. R. & RICKES, S. M. (2008). Do (des)encontro como método. Currículo sem Fronteiras, v. 8, n. 2, p. 97-113.

SOUSA, E. L. A. (2000). A vida entre parênteses: o caso clínico como ficção. Psicologia Clínica, v. 12, n. 1. Rio de Janeiro: PUC-Rio, p. 11-19.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Ágora - estudos em teoria psicanalítica
Instituto de Psicologia UFRJ
Campus Praia Vermelha
Av. Pasteur, 250 - Pavilhão Nilton Campos - Urca
22290-240 Rio de Janeiro RJ

e-mail: revistaagoraufrj@gmail.com