Rios afetam o biovolume e características funcionais do fitoplâncton em lagos de planície de inundação

Alfonso Pineda

Resumo


Analisamos a resposta do biovolume fitoplanctônico à variação do nível hidrométrico em três lagos na planície de inundação do alto rio Paraná, Brazil. Além disso, determinamos os fatores que controlam a distribuição das características funcionais fitoplanctônicas. Métodos: amostras de fitoplâncton e variáveis ambientais foram coletadas em períodos secos (2000 e 2001) e chuvosos (2010 e 2011), em lagos permanentemente conectados aos rios Ivinhema (S1), Baia (S2) e Paraná (S3). As espécies fitoplanctônicas foram classificadas em sete grupos funcionais baseados na morfologia (MBFG). Testamos diferenças no biovolume total e dos MBFGs entre lagos e períodos aplicando Análise de Variância. Analisamos a distribuição temporal e espacial do biovolume dos MBFGs, e a relação com as variáveis ambientais utilizando Análise de Redundância. Resultados: O biovolume fitoplanctônico variou entre os lagos, mas não apresentou diferenças temporais associadas à variação do nível hidrométrico. Em S2 (influenciado pelo rio semi-lêntico) registramos maior biovolume, e em S1 e S3 (influenciados pelos rios com alta velocidade de fluxo) registramos menores valores. Organismos filamentosos (MBFG III) estiveram associados com condições de poucos nutrientes, e as diatomáceas (MBFG VI) foram favorecidas nos locais com elevada mistura da coluna da água. Os flagelados dos grupos MBFG II e MBFG V estiveram relacionados a condições de maior profundidade e baixa mistura da água, respectivamente. Conclusão: O biovolume e características funcionais do fitoplâncton responderam à variação ambiental das lagoas, e foram influenciados pelas características de cada rio. A variação do nível de água não afetou ao biovolume, sugerindo uma baixa influência do pulso de inundação na estrutura das comunidades. Nesse cenário da planície do alto rio Paraná em que a dinâmica natural tem sido afetada, é prioritária a proteção das lagoas que demonstram grande importância para o a diversidade regional e o fluxo da energia.



Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Departamento de Ecologia – IB - UNESP/Rio Claro. Avenida 24 A n° 1515. CEP 13506-900. Rio Claro (SP) / Brasil

Tel.: (19) 3526 9107

e-mail: actalimno@gmail.com