Avaliação dos resultados da fixação pélvica através de parafusos nos ilíacos em instrumentações longas da coluna lombo-sacra em pacientes idosos.

Marcos Calixto Acchar

Resumo


Resumo

Objetivo: Avaliar os resultados iniciais e as possíveis complicações da combinação da fixação pélvica através dos parafusos nos ilíacos nas instrumentações longas da coluna lombar em pacientes idosos. Métodos: Análise de 38 pacientes submetidos a artrodese da coluna lombar com instrumentação maior que 3 níveis , quando incluímos o nível L5-S1, além da fixação ilíaca. Avaliação radiológica da instrumentação através de radiografia da coluna lombar e bacia e tomografia computadorizada,  pesquisando-se presença de fusão radiológica. Avaliação clínica através de questionário sobre dor glútea incluindo o escore visual analógico de dor (VAS). Foram pesquisadas complicações relacionadas a instrumentação pélvica. Resultados: Todos os pacientes possuíam fusão radiológica na transição lombo-sacra. Foi encontrado halo ao redor do parafuso ilíaco nos exames de imagem de 31% dos pacientes, porém sem sintomas relacionados. O questionário sobre dor glútea identificou que 15% dos pacientes possuíam alguma dor glútea de baixa intensidade (VAS 1 a 2)  e sem necessidade ou interesse em retirar os parafusos. Houve infecção em sitio cirúrgico em 2% dos casos,  hematoma em região glútea em 5% e fratura no nível mais cranialmente instrumentado em 7% dos casos. Conclusão: A fixação pélvica através de parafusos ilíacos mostrou-se eficaz na proteção dos parafusos de S1 em instrumentações longas que incluam o nível L5-S1 em pacientes idosos, permitindo a fusão óssea radiológica. Os resultados gerais de dor foram satisfatórios com base em um questionário sobre dor glútea. Não há sinais de sobrecarga ou degeneração das articulações sacro-ilíacas nos primeiros anos após a cirurgia.


Palavras-chave


Fusão lombo-sacra , coluna vertebral , parafusos ilíacos, fixação ilíaca, fixação pélvica, resultados, complicações, artrodese, dor glútea.