ESCOLIOSE IDIOPÁTICA DO ADOLESCENTE E SIMILARES: CLASSIFICAÇÃO TRIDIMENSIONAL

Enguer Beraldo Garcia

Resumo


Objetivo: Criar uma nova Classificação para escoliose idiopática do adolescente e similares, abrangente, tridimensional e aplicativa. Métodos: Criou-se a Classificação Tridimensional, com três componentes: O primeiro denominado de fator quantitativo, que dividi-se em três tipos de acordo com número de curvas; o segundo, o fator localizador evidencia o ponto mais estruturado da curva e o terceiro e o fator sagital que avalia globalmente o plano sagital. Para testar a nova Classificação, estudou-se as imagens de 99 pacientes comparando o índice de concordância e reprodutibilidade intra e interobservador da Classificação Tridimensional com a de Lenke. Resultado: Pode-se afirmar que no geral o índice de concordância dos três avaliadores em relação à Classificação Tridimensional e a de Lenke nessa casuística foi considerada muito boa. Conclusão: O estudo da casuística, evidenciou diferença significativa dos percentuais entre as duas Classificações, referente a avaliação da cifose torácica, a Classificação Tridimensional apresentou 26,6% de hipercifose, normal 61,6%, ao passo que a Classificação Lenke evidenciou 6,06% de hipercifose e 84,18% normal. Contudo, na análise comparativa global, com os métodos Tridimensional e Lenke apresentaram estatisticamente os mesmos níveis de concordância, uma vez que os valores dos intervalos de confiança se sobrepõem.