Cativas do corpo: casos de mulheres de cor nas fronteiras entre escravidão e liberdade. (Mariana, séculos XVIII e XIX).

Fernanda Domingos Pinheiro, Ludmila de Souza Maia

Resumo


Neste artigo, analisamos a influência dos corpos das mulheres de cor, suas sexualidades e seus trabalhos na conquista e no usufruto da liberdade. Com base em ações cíveis produzidas pelo tribunal colonial de Mariana, em Minas Gerais, observamos como o fato de ser mulher foi fator limitante ou de risco para a manutenção da autonomia de alforriadas, coartadas ou nascidas de ventre livre. Mas, por vezes, elas conseguiram tirar proveito de seu gênero de modo a conseguir arranjos favoráveis a si, como o rompimento de antigos elos de dependência.

Palavras-chave


Mulheres de cor; Escravidão; Liberdade; Justiça



Núcleo de Estudos de Gênero - Pagu/Unicamp
Universidade Estadual de Campinas
Cidade Universitária "Zeferino Vaz"
13083-970 Campinas - SP
Tel.: (55 XX 19) 3521 7873/3521 1703
Fax: (55 XX 19) 3521 1704
pagu@unicamp.br cadpagu@unicamp.br