LÍNGUA, CULTURA E EDUCAÇÃO DO POVO TRADICIONAL POMERANO

Gerda Margit Schütz-Foerste

Resumo


Este artigo discute questões sobre diversidade linguística e cultural na educação do campo de comunidades tradicionais "Pomeranas" (Decreto 6.040/2007). Questiona a educação homogeneizadora promovida para o campo, que despreza culturas e línguas do povo (FREIRE, 1970; BOSI, 1992). Analisam dados produzidos em grupo de pesquisa, com discussões acumuladas, registros nos diários de campo e arquivos de fotos. Executa uma revisão crítica da literatura teórico-científica sobre o tema com leitura interpretativa.  Objetiva promover discussão sobre as dificuldades históricas, experimentadas por essa comunidade tradicional, no Estado do Espírito Santo – Brasil, no processo de escolarização. Inscreve-se no debate sobre ações afirmativas que promovem, hoje em dia, avanços nos aspectos legais e conceituais para a formação dos sujeitos em contextos rurais. As análises permitem identificar o aumento de pesquisa acadêmica e maior interesse em encontrar propostas alternativas para superar os problemas históricos, como a invisibilidade do conhecimento, língua e cultura deste povo

Palavras-chave


diversidade cultural; currículo escolar; diversidade linguística; povos tradicionais