Os Museus e a legitimidade cultural

Maria da Graça Jacintho Setton

Resumo


O objetivo deste artigo é fazer uma reflexão acerca da frequência a museus como prática de cultura legítima. Concebendo-a como um lazer diferenciado, tem-se uma falsa representação de que parte da população seria incapaz de usufruir de seus acervos. Partindo de uma perspectiva histórica acerca dos museus e da teoria de Pierre Bourdieu, procurou-se observar estruturas mentais que instauram barreiras culturais para algumas linguagens e práticas. Neste sentido, buscou-se visitar os acervos acima mencionados, no intuito de apreender as estratégias de aproximação e/ou afastamento de suas exposições. Para finalizar, problematizando o envolvimento com práticas de cultura responsáveis em grande parte pela formação de um capital cultural (BOURDIEU, 1979), provocou-se a reflexão sobre as diferentes formas de se apreciar e se sensibilizar com artefatos culturais diversos. 


Palavras-chave


museus; arbitrário cultural; legitimidade cultural; educação