Mortalidade e educação: uma leitura às avessas das reflexões de Hannah Arendt sobre a educação

Vanessa Sievers de Almeida

Resumo


Neste artigo discuto a relevância do conceito de mortalidade nas reflexões de Hannah Arendt acerca da educação. A própria autora afirma que a essência da educação é a natalidade, o fato de que novos seres humanos nascem num mundo mais velho. Destaco, porém, que a atividade educativa tem em seu centro a preocupação com a mortalidade, pois, ao transmitir o legado do mundo, visa contribuir para a potencial imortalidade deste lugar ameaçado pelo esquecimento. Assim, a educação constitui um espaço privilegiado para estabelecer uma relação com o passado, que pode ser, ao mesmo tempo, harmoniosa e conflitante, mas que alimenta a resistência a uma sociedade cada vez mais restrita a preocupações imediatas.



EDUCAÇÃO & SOCIEDADE: revista de Ciências da Educação
Av. Berttrand Russel n°801 - Fac. de Educação - Anexo II 1° andar - sala 2 - Campinas, SP, Brasil - Cep. 13083 - 865, Fone/fax: + 55 19 3521-6710/6708 cedeseditoria@zeppelini.com.br