Avaliação da qualidade de água do rio Tibagi antes da formação do reservatório da UHE Mauá, por meio de análise fatorial

Juliane Knopik, Fabiana Hilgemberg Sottomaior, Nicole Machuca Brassac de Arruda

Resumo


Ecossistemas afetados pela formação de reservatórios passam por monitoramentos compulsórios antes, durante e após a construção do empreendimento. Esses programas de monitoramento geram extensas matrizes de dados, que visam atender às condicionantes de licenciamento ambiental, bem como a gestão do recurso hídrico. No intuito de gerar informações que propiciem o gerenciamento de recursos hídricos, o presente trabalho visou avaliar a qualidade de água do rio Tibagi, localizado no Estado do Paraná, antes da construção da usina hidrelétrica de Mauá. Foram utilizados dados de quatro das oito estações do Programa de Monitoramento das Condições Limnológicas do rio Tibagi, descrito no Plano Básico Ambiental da referida usina. Os dados selecionados compreenderam o período entre dezembro/2009 e abril/2012. Após o tratamento dos dados por meio de Análise Fatorial foram avaliados os fatores descritores da qualidade de água, visando a caracterização das águas na região do empreendimento. Em todas as estações monitoradas, exceto em MA_04 (jusante), o fator 1 foi composto pelas variáveis: transparência da água, fósforo total, sólidos totais, turbidez e coliformes termotolerantes, sendo então denominado fator antropogênico. A presença da variável coliformes termotolerantes na composição do fator é um indicativo comum de poluição a partir de esgotos domésticos não tratados. O mesmo não ocorreu para a estação MA_04, onde a variável coliformes termotolerantes não esteve presente, indicando assim, que nesta estação de monitoramento, a água passa a apresentar uma condição de melhor qualidade. O fator 2 foi caracterizado pela produtividade primária.

Palavras-chave


Análise multivariada; ambiente lótico; represamento



ABES

Av. Beira Mar, 216 - 13º Andar - Castelo
20021-060 Rio de Janeiro - RJ - Brasil
esa@abes-dn.org.br