Taxonomic groups with lower movement capacity may present higher beta diversity

Vinícius Xavier Silva, Mario Sacramento, Érica Hasui, Rogério Grassetto Teixeira da Cunha, Flavio Nunes Ramos

Resumo


A análise por partição da diversidade é uma abordagem empregada para se tentar compreender como as comunidades se estruturam espacialmente e os fatores que operam na geração e manutenção dos padrões de distribuição das espécies. Nós examinamos a estrutura espacial da diversidade de espécies referente a quatro grupos taxonômicos com diferentes capacidades de dispersão,em 16 fragmentos florestais localizados no sul do estado de Minas Gerais, Brasil. Especificamente, testamos: i) se a similaridade na composição de espécies estaria relacionada negativamente com a distância geográfica entre os fragmentos; e ii) se a diversidade beta apresentada por cada grupo poderia ser negativamente relacionada com as respectivas capacidades de dispersão. Tanto a diversidade alfa quanto a similaridade composicional entre as localidades foi baixa. A diversidade beta não esteve correlacionada com a distância para nenhum dos grupos,. Os primatas, seguidos das aves, apresentaram maior tendência em formar agrupamentos de similaridade, embora de maneira independente da distância entre os fragmentos, bem como os menores valores relativos de diversidade beta. Já espermatófitas e anfíbios não definiram agrupamentos e apresentaram relativamente os maiores valores de diversidade beta. Interpretamos tais resultados como indicações de que grupos com maior capacidade de dispersão (primatas e aves) tendem a alcançar, em média, localidades mais distantes e, portanto, a definir agrupamentos mais similares (i.e., baixa diversidade beta). Já os grupos com menor capacidade de dispersão (espermatófitas e anfíbios) apresentaram a tendência oposta. Apesar da maioria das espécies terem apresentado ocorrência restrita a poucas localidades, contribuindo para a baixa similaridade, as altas diversidades beta e gama demonstraram o quanto as localidades são distintas e complementares entre si em termos de composição de espécies. Tais características reforçam e justificam futuras iniciativas de conservação, tanto em âmbito local quanto regional.




Iheringia Série Zoologia

Museu de Ciências Naturais, Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul

Rua Dr. Salvador França, 1427, 90690-000 Porto Alegre, RS, Brasil

E-mail: iheringia-zoo@fzb.rs.gov.br