Quando e onde vocaliza Sphaenorhynchus surdus no sul do Brasil?

Gabriele Volkmer, Luis Ferando Marin da Fonte, Fernanda Thiesen Brum, Laura Verrastro

Resumo


Estudos sobre distribuição espacial e temporal de anfíbios têm se mostrado importantes para o entendimento das relações entre as espécies e o ambiente. Nesse sentido, constata-se que essas informações acerca de espécies do gênero SphaenorhynchusTschudi, 1838no Rio Grande do Sul ainda não foram levantadas. Esta pesquisa, cujo objetivo principal foi a caracterização da distribuição espacial e temporal de Sphaenorhynchus surdus (Cochran, 1953)durante atividade de vocalização bem como a análise dos principais fatores climáticos associados a essa atividade, foi conduzida em três corpos d’água com diferentes características da região dos Campos de Cima da Serra, nos municípios de Bom Jesus e Vacaria. As saídas de campo aconteceram mensalmente e geralmente com a duração de dois dias e duas noites entre junho de 2006 e março de 2008. Os resultados mostraram que S. surdus apresenta temporada de vocalização concentrada nas estações mais quentes do ano, primavera e verão, parando nos meses mais frios, durante outono e inverno. O pico da atividade de vocalização foi no ocaso e nas primeiras horas da noite, porém a espécie apresentou atividade de vocalização em todos os períodos amostrados do dia e da noite. Dentre as variáveis analisadas, a temperatura da água foi a variável climática com maior influência sobre aabundânciade indivíduos em atividade de vocalização (r2= 0,43; F1,19 = 14.65, p= 0,01). Quanto aos sítios de vocalização, a lâmina d’água obteve a maior representatividade (42%) dentre os substratos, seguida pela vegetação arbustiva (25%) incluindo alturas superiores a 2 m, quando considerados todos os banhados.




Iheringia Série Zoologia

Museu de Ciências Naturais, Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul

Rua Dr. Salvador França, 1427, 90690-000 Porto Alegre, RS, Brasil

E-mail: iheringia-zoo@fzb.rs.gov.br