Frugivoria por morcegos filostomídeos (Chiroptera, Phyllostomidae) em dois remanescentes urbanos de cerrado em Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Jaire Marinho Torres, Elaine Aparecida Carvalho dos Anjos, Cláudia Márcia Marily Ferreira

Resumo


Os morcegos da família Phyllostomidae são potenciais dispersores de sementes, devido a sua grande mobilidade e hábito de forrageio, sendo considerados os maiores responsáveis pela regeneração de florestas neotropicais. No Mato Grosso do Sul as pesquisas com dieta de morcegos se concentram na região do Pantanal, com poucos trabalhos na porção de Cerrado, e somente um em área urbana. O objetivo deste estudo foi analisar em dois remanescentes urbanos de Cerrado em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, a dieta de filostomídeos frugívoros por meio da identificação das sementes defecadas.. As coletas foram realizadas em duas unidades de conservação, a Estação Ecológica Dahma e o Parque Estadual do Prosa. Os morcegos foram capturados com auxílio de seis redes-de-neblina, que permaneceram abertas durante seis horas a partir do ocaso. Após a captura, cada morcego foi mantido em saco de algodão individual por uma hora para obtenção das fezes. Estas foram acondicionadas individualmente em frasco hermético e imersas em glicerina, sendo posteriormente analisadas em laboratório e as sementes encontradas foram identificadas. Foram capturados 250 morcegos, distribuídos em dez espécies, oito gêneros e duas famílias. Os filostomídeos constituíram 93,2% das capturas (n=233). As espécies mais frequentemente capturadas foram Carollia perspicillata e Artibeus lituratus, com 69 (27,6%) e 68 (27,2%) capturas. Foram encontradas sementes em 46 amostras fecais de sete espécies de morcegos, e Piperaceae foi a família mais comum, representada em 69,6% das amostras, sendo um recurso-chave consumido por quase todas as espécies de filostomídeos. A ocorrência de frugívoros em unidades ambientais auxilia em sua manutenção por meio de auto-renovação, sendo a frugivoria um processo importante em remanescentes florestais. O consumo exclusivo de espécies pioneiras é um indício do papel de morcegos na manutenção destes remanescentes urbanos de Cerrado.



Iheringia Série Zoologia

Museu de Ciências Naturais, Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul

Rua Dr. Salvador França, 1427, 90690-000 Porto Alegre, RS, Brasil

E-mail: iheringia-zoo@fzb.rs.gov.br