Efeitos dos ninhos de Atta sexdens (Hymenoptera: Formicidae) sobre a estrutura da comunidade de artrópodes do solo na Mata Atlântica

Marina Vasconcelos de Oliveira, Eder Cleyton Barbosa de França, Rodrigo Feitosa, Maria Elizabeth Fernandes Correia, Jarbas Marçal Queiroz

Resumo


As formigas-cortadeiras são consideradas os herbívoros dominantes da região Neotropical e, portanto, estudos a respeito dos seus múltiplos efeitos sobre outros organismos e processos ecossistêmicos são relevantes. Este estudo visa investigar os efeitos dos ninhos de formigas-cortadeiras Atta sexdens (Linnaeus, 1758) sobre a comunidade de artrópodes do solo. O estudo foi conduzido na Reserva Ecológica de Guapiaçu, junto ao Rio de Janeiro, Brasil. Coletamos amostras de serrapilheira a intervalos de 8 metros da borda dos ninhos de A. sexdens, ao longo de um transecto linear de 32 metros para extração da comunidade de artrópodes e para estudar a estrutura da serrapilheira. Também medimos as temperaturas do ar e do solo, a luz e a umidade relativa do ar onde coletamos as amostras de serrapilheira. Objetivamos averiguar se a estrutura da serrapilheira e as condições microclimáticas alteram a estrutura da comunidade de artrópodes e se esses efeitos podem ser mediados pelos ninhos de A. sexdens. Propomos três hipóteses: 1) Hipótese da Serrapilheira, na qual a serrapilheira seria alterada pelos ninhos de A. sexdens, que por sua vez afetaria a estrutura da comunidade de artrópodes; 2) Hipótese dos Fatores Abióticos, na qual os fatores abióticos seriam alterados pelos ninhos de A. sexdens, que por sua vez afetariam a estrutura da comunidade de artrópodes e 3) Hipótese do Ninho, na qual as alterações na comunidade se dariam por fatores intrínsecos à presença dos ninhos ativos e não explicados por alterações na serrapilheira e/ou nos fatores abióticos medidos. Coletamos 3074 artrópodes, dentre os quais Acari e Collembola foram os grupos mais abundantes. Em relação às formigas, obtivemos 63 morfoespécies, em 26 gêneros e 32 espécies identificadas. O gênero Strumigenys foi um dos gêneros mais frequentes e deteve a maior riqueza dentre os predadores da mirmecofauna. Não encontramos suporte para qualquer de nossas três hipóteses. Diferente de estudo anterior, nós não detectamos os efeitos das formigas-cortadeiras sobre a estrutura da serrapilheira ou as condições microclimáticas. Assim, concluímos que os múltiplos efeitos que as formigas-cortadeiras podem ter em uma floresta devem ser espécie-dependente.



Iheringia Série Zoologia

Museu de Ciências Naturais, Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul

Rua Dr. Salvador França, 1427, 90690-000 Porto Alegre, RS, Brasil

E-mail: iheringia-zoo@fzb.rs.gov.br