Physiological responses of anti-predation in prey fish on the threat of piscivorous fish in different underwater visibility condition

Leandro Fabrício Fiori

Resumo


Considerando que o comportamento anti-predação de peixes presas podem ocorrer de forma diferente de acordo com as estratégias de caça dos predadores, investigamos se esses comportamentos também levam a diferentes intensidades nos níveis plasmáticos de cortisol e glicose. Além disso, avaliamos se a visibilidade subaquática de ambientes turvos pode afetar as respostas fisiológicas. Para isso, realizamos um experimento em que testamos as hipóteses de que (i) os níveis plasmáticos de cortisol e glicose diferem de acordo com as estratégias de caça de piscivorous, e (ii) em ambiente turvo não haverá redução nos níveis plasmáticos de glicose e cortisol devido à incapacidade da presa em reconhecer com precisão os predadores por sinais não visuais. Foi observado que a presença de peixes piscívoros aumenta os níveis plasmáticos de cortisol em presas, no entanto, não houve diferença significativa entre os tratamentos com piscívoros de diferentes estratégias de caça. Também não observamos alteração significativa nos níveis de glicose plasmática entre tratamentos com água clara e tratamentos turvos. Assim, concluímos que as mudanças fisiológicas de peixes presas não dependem dos modos de caça do peixe piscívoros. Dessa forma, é necessário considerar a capacidade da presa em reconhecer e avaliar o perigo, independentemente das estratégias de caça realizadas pelos piscívoros.




Iheringia Série Zoologia

Museu de Ciências Naturais, Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul

Rua Dr. Salvador França, 1427, 90690-000 Porto Alegre, RS, Brasil

E-mail: iheringia-zoo@fzb.rs.gov.br