Volumes de calda no tratamento industrial sobre a qualidade fisiológica de sementes de soja com diferentes níveis de vigor

Cristian Rafael Brzezinski, Julia Abati, Fernando Augusto Henning, Ademir Assis Henning, José De Barros França Neto, Francisco Krzyzanowski, Claudemir Zucareli

Abstract


A utilização de maiores volumes de calda no tratamento industrial de sementes de soja (TIS), sem efeitos negativos ao desempenho fisiológico dependem de diversos fatores, dentre eles, o vigor das sementes tratadas. O objetivo foi avaliar o efeito de diferentes volumes de calda, via tratamento industrial, sobre a qualidade fisiológica de sementes de soja com diferentes níveis de vigor. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado, em esquema fatorial 2x5, com quatro repetições. Os fatores foram constituídos por sementes com dois níveis de vigor (sementes mais vigorosas e menos vigorosas) e cinco volumes de calda (0, 600, 1200, 1800 e 2400 mL 100 kg-1). Os produtos utilizados para a obtenção dos volumes foram: fungicida (carbendazin + thiram); inseticida (imidacloprido + tiodicarbe); nematicida (abamectina); micronutriente (cobalto, molibdênio e zinco); polímero (peridiam); bioestimulante (cinetina + ácido giberélico) e inoculante (Bradyrhizobium japonicum). As cultivares utilizadas foram a BRS 360 RR e BRS 1010 IPRO. A qualidade fisiológica das sementes foi determinada pelas seguintes avaliações: germinação, primeira contagem do teste de germinação, emergência de plântulas em areia, índice de velocidade de emergência, comprimento total, de parte aérea e raiz de plântulas. Nos diferentes volumes de calda, as sementes de soja mais vigorosas apresentam maior qualidade fisiológica em relação às sementes menos vigorosas. O aumento do volume de calda no tratamento de sementes reduz a qualidade fisiológica das sementes de soja menos vigorosas.

Keywords


Glycine max (L.) Merrill, fungicidas, inseticidas, germinação, emergência de plântulas.

Full Text:

PDF PDF