Temperatura e teor de água afetam o teste de condutividade elétrica em sementes de ervilha

Lara Bernardes da Silva Ferreira, Nayara Alves Fernandes, Luan Costa de Aquino, Anderson Rodrigo da Silva, Warley Marcos Nascimento, Erica Fernandes Leão-Araújo

Abstract


Vários fatores interferem na eficiência do teste de condutividade elétrica em sementes, dentre eles destaca-se o teor de água inicial e a temperatura durante a embebição. Nesse sentido, este trabalho teve como objetivo avaliar o efeito do teor de água inicial das sementes de ervilha e a temperatura na eficiência do teste de condutividade elétrica como um teste de vigor. Utilizou-se seis lotes de sementes de ervilha ‘Mikado’ que, incialmente foram submetidos a testes para caracterização inicial. No primeiro ensaio, baseado na umidade inicial das amostras, foi ajustado o teor de água das sementes para 9, 11, 13 e 15% e posteriormente foram submetidas ao teste de condutividade elétrica. No segundo ensaio, a água para embebição das sementes foi mantida por 24 horas a 10, 15, 20, 25 e 30 °C, e após este período adicionou-se as sementes e foram colocadas para embeber por mais 24 horas nas referidas temperaturas. Observou-se que o teor de água inicial das sementes e a temperatura da água durante a embebição influenciaram nos resultados do teste de condutividade elétrica, este teste deve ser realizado com sementes variando entre 11 e 15% de teor de água e a solução de embebição exposta à 25 °C.  


Keywords


Pisum sativum, embebição, exsudatos, vigor

Full Text:

PDF