Uma fonte alemã para “O casamento do Diabo” de Machado de Assis

Diego do Nascimento Rodrigues Flores

Resumo


A partir da informação de que “O casamento do Diabo”, em tradução de Machado de Assis, foi “imitada do alemão”, o que é contestado por Jean-Michel Massa e Gondin da Fonseca argumentando que Machado despistava e ludibriava o público uma vez que à época o escritor não sabia alemão, buscamos e encontramos uma versão alemã da canção “Satan Marié” de Gustave Nadaud que pode ter sido utilizada por Machado de Assis para, com provável auxílio do Henrique Fleiuss, compor “O casamento do Diabo”. Assim, compararemos os três textos com o intuito de demonstrar que Machado, ao que tudo indica, foi honesto ao apresentar o texto como “imitação do alemão”.


Texto completo:

Sem título

Referências


ASSIS, Machado de. A poesia completa: edição anotada: recepção crítica [Org. e fixação dos textos Rutzkaya Queiroz dos Reis]. São Paulo: Nankin/Edusp, 2009.

FONSECA, Gondin da. Machado de Assis e o hipopótamo. São Paulo: Editora Fulgor, 1961.

MAGALHÃES JÚNIOR, Raimundo. Vida e obra de Machado de Assis: Ascensão. Rio de Janeiro: Record, v. 2, 2008.

MASSA, Jean-Michel. Dispersos de Machado de Assis. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Cultura/Instituto Nacional do Livro, 1965.

MASSA, Jean-Michel. Machado de Assis tradutor. Trad. Oséias Silas Ferraz. Belo Horizonte: Crisálida, 2008.

NADAUD, Gustave. “Satan Marié”. Chansons de Gustave Nadaud. Paris: Henri Plon Imprimeur-Éditeur, 1870. p. 136-137.

NADAUD, Gustave. “Des Teufels Hochzeit”. Trad. Wilhelmine Gräfin Wickenburg-Almasy. Disponível em: http://gutenberg.spiegel.de/buch/-7414/79. Acesso em: 28 nov. 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Universidade de São Paulo

Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

Av. Prof. Luciano Gualberto, 403, sala 38.

CEP: 05508-900, São Paulo, SP - Brasil

machadodeassis.emlinha@usp.br