Distinção e marginalização no campo literário e o caso de Machado de Assis

Daniel Castello Branco Ciarlini

Resumo


Até que ponto o campo de produção erudita influi na distinção e na marginalização dos escritores? Analisa-se essa operação no mercado de bens simbólicos abordado por Bourdieu (1996; 2009), onde a busca pela arte “pura” leva ao distanciamento estético entre objeto e público. Discute-se a análise desse sociólogo em paralelo à teoria da estética da recepção (JAUSS, 1994), quando o horizonte de expectativa permite interpretações no campo de produção literária. A aparição de Machado de Assis em meio a uma sociedade analfabeta e constituída por intelectuais francófilos é problematizada, por colocar em xeque a existência ou o tipo de campo de produção erudita que se forma em um país em que a presença da literatura é desacreditada pelos próprios intelectuais.

Referências


ADORNO, Theodor W. Crítica cultural e sociedade. In: ______. Sociologia. Tradução de Flávio R. Kothe et al. São Paulo: Ática, 1986. p. 76-91.

______. Teses sobre a sociologia da arte. In: ______. Sociologia. Tradução de Flávio R. Kothe et al. São Paulo: Ática, 1986. p. 108-114.

ANDERSON, Benedict. Comunidades imaginadas: reflexões sobre a origem e a difusão do nacionalismo. Tradução de Denise Bottman. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

BOURDIEU, Pierre. As regras da arte: gênese e estrutura do campo literário. 2. ed. Tradução de Maria Lucia Machado. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

______. Campo do poder, campo intelectual e habitus de classe. In: ______. A economia das trocas simbólicas. Vários tradutores. São Paulo: Perspectiva, 2009. p. 183-202.

______. O mercado dos bens simbólicos. In: ______. A economia das trocas simbólicas. Vários tradutores. São Paulo: Perspectiva, 2009. p. 99-181.

DARNTON, Robert. História da leitura. In: BURKE, Peter (org.). A escrita da história: novas perspectivas. Tradução de Magda Lopes. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista, 1992. p. 199-236.

FISCHER, Luís Augusto. Crítica literária (e jornalismo cultural). In RAMOS, Fernando (Org.). O melhor da festa. Porto Alegre: Editora Nova Roma, 2009. p. 57-67.

GUIMARÃES, Hélio de Seixas. Machado de Assis, o escritor que nos lê. São Paulo: Editora Unesp, 2017.

HAUSER, Arnold. História social da arte e da literatura. Tradução de Álvaro Cabral. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

JAUSS, Hans Robert. A história da literatura como provocação à teoria literária. Tradução de Sérgio Tellaroli. São Paulo: Editora Ática, 1994.

MÉROU, Martín García. El Brasil intelectual: impresiones y notas literarias. Buenos Aires: Félix Lajouane, 1900.

RAMA, Ángel. A formação do romance latino-americano. In: AGUIAR, Flávio; VASCONCELOS, Sandra Guardini T. Ángel Rama: Literatura e cultura na América Latina. Tradução de Raquel la Corte dos Santos e Alza Gaparotto. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2001. p. 41-6.

RIO, João do. O momento literário. Rio de Janeiro: H. Garnier, 1905.

SCHÜCKING, Levin L. El gusto literario. Tradução de Margit Frenk Alatorre. México: Fondo de Cultura Económica, 1950.

SOMMER, Doris. Ficções de fundação: os romances nacionais da América Latina. Tradução de Gláucia Renate Gonçalves e Eliana Lourenço de Lima Reis. Belo Horizonte: UFMG, 2004.

ZILBERMAN, Regina. Estética da recepção e história da literatura. São Paulo: Editora Ática, 1989.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Universidade de São Paulo

Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

Av. Prof. Luciano Gualberto, 403, sala 38.

CEP: 05508-900, São Paulo, SP - Brasil

machadodeassis.emlinha@usp.br