Do ouvir e ler poesia: Luiz Gama e Machado de Assis.

Pedro Marques

Resumo


Resumo: Luiz Gama tende à oratória, à performance pública do verso. É o teatro interlocutório, a voz impostada no espaço para convencer (movere) a audiência. Machado de Assis prefere a leitura, o contato íntimo com o texto. É a experiência individual, a mensagem que cala no leitor para deleite (delectare) do sujeito. A versificação, assim, ganha plasticidade retórica em Gama e estilização literária em Machado. Um “decanta de marimba”, outro tira à “harpa eólica a excelsa melodia”. Tal contraste técnico, entre ouvir e ler poesia, é o foco do artigo.

Palavras-chave: Luiz Gama; Machado de Assis; poesia brasileira; versificação.


Texto completo:

PDF

Referências


ASSIS, Machado de. A poesia completa. Organização e fixação dos textos Rutzkaya Queiroz dos Reis. São Paulo: EDUSP/ Nankin Editorial, 2009.

___. Crítica & Variedades. São Paulo: Editora Globo, 1997.

___. Várias Histórias. São Paulo: Editora Globo, 1997.

BOSI, Alfredo. O Ser e o tempo da poesia. São Paulo: Cultrix, 1977.

CAMÕES, Luís de. Os Lusíadas. Edição e comentários Gladstone Chaves de Melo, Sílvio Elia et alii. Rio de Janeiro: BIBLIEX, 1980.

CASTILHO, António Feliciano de. Tratado de versificação portuguesa. Porto: Livraria Moré-Editora, 1874.

CÍCERO. De Oratore. Edição bilíngue. Tradução E. W. Sutton. Introdução H. Rachhan. Londres/ Cambridge: William Heinemann/ Harvard University Press, 1967.

FERREIRA, Ligia Fonseca. “Introdução”. In: GAMA, Luiz. Primeiras Trovas Burlescas e outros poemas. Organização Ligia Fonseca Ferreira. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

GAMA, Luiz. Primeiras Trovas Burlescas e outros poemas. Organização e introdução Ligia Fonseca Ferreira. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

GUIMARÃES, Hélio de Seixas. Os leitores de Machado de Assis: o romance machadiano e o público de literatura no século XIX. São Paulo: EDUSP/ Nankin Editorial, 2004.

GUIMARÃES, Júlio Castñon. Poemas [1975-2005]. Rio de Janeiro/ São Paulo: 7Letras/ Cosac Naify, 2006.

MARQUES, Wilton. “Poema desconhecido que Machado de Assis escreveu aos 17 anos é descoberto”. In: COZER, Raquel. Ilustrada. Folha de S. Paulo, 14mar2015.

NOVALIS, Friedrich von Hardenberg. Pólen: fragmentos, diálogos, monólogo. Tradução, apresentação e notas Rubens Rodrigues Torres Filho. São Paulo: Iluminuras, 2001.

ONG, Walter. Oralidade e cultura escrita: a tecnologização da palavra. Tradução Enid Abreu Dobránszky. Campinas, SP: Papirus, 1998.

RODRIGUES, Cristiane Nascimento. O aprendizado do ofício: Machado de Assis e seus poemas dispersos (1854-1855). Universidade Estadual Paulista. Araraquara, SP: 2017.

ROMERO, Sílvio. Estudos sobre a poesia popular do Brasil. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 1977.

SOUZA, Roberto Acízelo de. O império da eloquência: retórica e poética no Brasil oitocentistas. Rio de Janeiro: EdUERJ/ EdUFF, 1999.

ZUMTHOR, Paul. Escritura e nomadismo. Tradução Jerusa Pires Ferreira e Sonia Queiroz. Cotia, SP: Ateliê Editorial, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Universidade de São Paulo

Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

Av. Prof. Luciano Gualberto, 403, sala 38.

CEP: 05508-900, São Paulo, SP - Brasil

machadodeassis.emlinha@usp.br