Dispositivo das drogas e governo da vida

Wanderson Vilton Silva, Simone Maria Hüning

Resumo


Numa perspectiva da Psicologia Social em diálogo com as teorizações de Michel Foucault e Giorgio Agambem, o objetivo deste artigo é abordar como as drogas são constituídas quanto explicação para assassinatos de moradores de rua, construindo práticas e discursos relacionados ao governo da vida e da morte nas cidades. O material analisado consiste em textos midiáticos e documentos públicos elaborados entre julho de 2010 e novembro de 2012 que abordam tais assassinatos. Analisamos como o dispositivo das drogas formula uma ambiguidade e uma complexidade importantes para o governo dos moradores de rua a partir da construção de oposições: criminoso ou em situação de vulnerabilidade social. Procuramos contribuir criticamente com políticas públicas que visem os diversos modos de existir na cidade, pensar os espaços urbanos, os modos de governo e os processos de subjetivação, considerando a análise da ambiguidade e da complexidade produzidas em torno do dispositivo das drogas.

Palavras-chave


Dispositivo; Drogas; Sem-teto; Políticas Públicas; Homicídio.

Texto completo:

PDF


Associação Brasileira de Psicologia Social www.abrapso.org.br