Família e mulher como instrumentos de governo da população

Keli Lopes Santos, Ana Lucia Coelho Heckert, Silvia Vasconcelos Carvalho

Resumo


Este artigo coloca em análise como a família e a mulher se constituíram nos principais pontos de intervenção da política de estado da Assistência Social. Para tanto, traremos elementos que evidenciam os processos de emergência histórica desse interesse, utilizando o conceito de biopolítica de Foucault. Historicamente, a família e a mulher têm sido alvos privilegiados das estratégias de disciplinarização e regulamentação da existência. Aponta-se que as políticas de estado da Assistência Social também produzem essas práticas seja privilegiando intervenções que engendram um modelo de família em suas práticas, seja criando regras para a inserção em serviços e benefícios que se pautam na associação entre a condição de mulher e a maternidade. Acreditamos que problematizar essas práticas e colocar em evidência seus efeitos pode contribuir na transformação das ações que são efetuadas no âmbito da Assistência Social.

Palavras-chave


família; mulher; biopolítica; Assistência Social

Texto completo:

PDF


Associação Brasileira de Psicologia Social www.abrapso.org.br