Chamada aberta: Dossiê Mídias digitais e as fronteiras do religioso

2024-02-07

Está aberta a chamada para o dossiê Dossiê Mídias digitais e as fronteiras do religioso.

A proposta é reunir estudos atentos aos processos que emergem nas fronteiras entre religiosidades e tecnologias digitais. Compreender fenômenos que decorrem de encontros e disputas em zonas de fronteira constitui um campo de questões significativo do fazer antropológico e suas relações com outras disciplinas, a partir dos saberes etnográficos. Entre análises mais clássicas que provocam estas reflexões, encontramos contribuições fundamentais a respeito de práticas rituais e relações entre pessoas e coisas. Perspectivas contemporâneas atualizam esse debate conferindo ênfase às materialidades, mídias e mediações. Além disso, intensificam análises sobre as fronteiras do religioso e do secular, com destaque às formações do secular, e extrapolam recortes institucionalizados que fixam pertencimentos de fé a espaços físicos delimitados. Nos estudos brasileiros, destacam-se trabalhos que se dedicaram a qualificar o debate sobre o conceito de campo religioso, buscando ampliá-lo, e questões sobre religião, poder e espaço público. Pesquisas recentes sobre mídias digitais e as fronteiras do religioso participam desse processo reflexivo não apenas como um recorte empírico de estudo, mas levantando outras questões sobre práticas e sentidos compartilhados em cotidianos religiosos, profundamente implicados em dinâmicas contemporâneas de copresença entre online e offline. 

O dossiê está aberto a artigos que se dediquem a pensar como diferentes religiosidades vêm produzindo novos sujeitos em dinâmicas digitais, com abordagens principalmente ancoradas nas seguintes ênfases: 1) usos de dispositivos móveis, tecnologias digitais e políticas algorítmicas incidentes nos arranjos entre religião, gênero, raça, classe e outros marcadores sociais da diferença; 2) reconfigurações comunitárias e seus efeitos em estruturas eclesiásticas e congregacionais; 3) desafios para legitimidades e pertencimentos de práticas consideradas "não religiosas" e suas disputas com as institucionalidades; 4) dinâmicas das subjetividades e das moralidades no cotidiano religioso; 5) estéticas e performatividades em conformações da política contemporânea; 6) debates sobre regimes de autoridade religiosa nas mídias sociais; 7) abordagens sobre humor, escárnio e deboche públicos direcionados a sujeitos e coletividades religiosas; e 8) modelos de produção da idolatria em interações sociotécnicas. 

  Organizadoras: Carly Machado (UFRRJ) e Lorena Mochel (UFRRJ)  

Prazo de envio: 06 de maio de 2024