Submissões

O cadastro no sistema e posterior acesso, por meio de login e senha, são obrigatórios para a submissão de trabalhos, bem como para acompanhar o processo editorial em curso. Acesso em uma conta existente ou Registrar uma nova conta.

Condições para submissão

Como parte do processo de submissão, os autores são obrigados a verificar a conformidade da submissão em relação a todos os itens listados a seguir. As submissões que não estiverem de acordo com as normas serão devolvidas aos autores.
  • A contribuição é original e inédita, e não está sendo avaliada para publicação por outro periódico; caso contrário, deve-se justificar em "Comentários ao editor".
  • O arquivo da submissão está em formato Microsoft Word, OpenOffice ou RTF.
  • URLs para as referências foram informadas quando possível.
  • O texto tem entre 7 mil e 10 mil palavras, incluindo notas e bibliografia; está em espaço simples; usa uma fonte de 12-pontos; emprega itálico em vez de sublinhado (exceto em endereços URL); as figuras e tabelas estão inseridas no texto, não no final do documento na forma de anexos.
  • O texto está totalmente desidentificado e segue os padrões de estilo e requisitos bibliográficos descritos em Diretrizes para Autores, na página Sobre a Revista. Estou ciente que, caso o autor seja identificado no texto, o mesmo será rejeitado e arquivado.
  • Em caso de submissão a uma seção com avaliação pelos pares (ex.: artigos), as instruções disponíveis em Assegurando a avaliação pelos pares cega foram seguidas.
  • O texto possui Título, Resumo e Palavras-Chave em Inglês.
  • Os autores obrigatoriamente devem informar seu número ORCID (Open Researcher and Contributor ID) quando da submissão do artigo. Registro e informações no site https://orcid.org/signin .

Diretrizes para Autores

Regras para a preparação de textos:

 

1. Para submissão de artigos

 

Os textos devem ser enviados apenas através do sistema online da coleção Scielo (http://www.scielo.br/rs), em formato aberto Word ou outro compatível. O texto poderá ter entre  7 mil e 10 mil palavras, incluindo notas de pé de página e bibliografia, que deve vir ao final do texto. As notas devem conter informações complementares e substantivas, não podendo consistir apenas de referências bibliográficas. As normas para referências bibliográficas estão expostas abaixo. A página de rosto deverá conter: título do artigo e resumo do texto em português e inglês (entre 80 e 120 palavras). No documento enviado pelo sistema Scielo.com não pode haver nenhum tipo de informação que identifique a autoria do artigo.

Atenção: Para artigos de fluxo e entrevistas, escolher a seção “Artigos”. Para dossiês, escolher o item “Seção” e direcionar ao dossiê pretendido. Para resenhas e ensaios visuais, escolher o item “Seção” clicando em seguida em “Resenhas e Ensaios visuais.”

Os textos serão analisados primeiramente pelo comitê editorial da revista, que fará um parecer de pertinência (desk review) para aferir padrões de qualidade acadêmica e adequação ao escopo, aos objetivos e à política editorial/missão da revista.

Em seguida, os textos que passarem nesta primeira etapa serão submetidos a duplo parecer cego por pares (modelo double-blind peer review) com atenção à não ocorrência de conflitos de interesse. 
Há quatro resultados possíveis da segunda etapa, são eles: 1) aprovado para publicação sem modificações, 2) aprovado para publicação condicionada a modificações, 3) revisar e  submeter novamente e 4) recusado. A Revista recusará ressubmissões se os dois pareceristas indicarem “revisar e submeter novamente” ou se um dos pareceristas recusar o artigo e a comissão editorial julgar o parecer adequado. 

Em caso de aprovação do artigo, o(s) autor(es) deve(m) enviar à Religião e Sociedade a versão final do texto com as alterações que forem definidas pelos editores com base nos pareceres anteriormente emitidos. 

Não serão encaminhados para as etapas de avaliação acima descritas os artigos que estiverem sendo avaliados simultaneamente por outra (s) revista (s). 

Em média, os artigos levam dois meses para receberem uma avaliação inicial da Editoria e encaminhados para os pareceristas. Esta segunda etapa pode levar entre seis e dez meses, dependendo da disponibilidade dos avaliadores.

As modificações feitas nos artigos por seus autores e enviados aos editores do periódico, conforme solicitado por estes e pelos pareceristas, devem vir em “controle de alteração” ou em cor diferente no texto para fácil identificação. É recomendado também que os autores de artigos enviem considerações em anexo diretamente aos editores apresentando o que foi modificado e/ou justificando as sugestões que não foram incorporadas. 

Os autores devem enviar os artigos com as modificações sugeridas em até 30 dias após o recebimento das solicitações dos editores.  

Sendo aceito, o autor deverá submeter na plataforma do Scielo a nova versão do artigo acompanhada dos seguintes itens:

(a) título em português e inglês;
(b) um resumo em português e em inglês (entre 80 e 120 palavras);
(c) uma lista de até cinco palavras-chave, em português e em inglês, que expressem os conceitos mais importantes do texto e remetam a temas recorrentes nos estudos acadêmicos;
(d) dados sobre o(s) autor(es) (vínculo institucional, últimas publicações, endereço completo, e-mail); Não serão admitidos acréscimos ou modificações depois que os trabalhos forem entregues para composição;
(e) número do ORCID.

O interstício para publicação em Religião & Sociedade é de 24 meses entre a publicação de um artigo e a submissão de outro pelo mesmo autor ou co-autor. 

Em caso de propostas de tradução de artigos, fica sob a responsabilidade do autor da tradução solicitar as autorizações necessárias, enviando-as, em tempo, à revista para arquivamento. Os artigos para tradução deverão ser de autores clássicos ou de contemporâneos cuja relevância da obra na atualidade seja atestada pela ampla citação pela comunidade científica, mediante interesse dos editores do periódico. Aqueles que tiverem seus artigos publicados em Religião & Sociedade, entram imediatamente em nosso quadro de pareceristas. Esta é uma contribuição voluntária de fundamental importância para a permanência dos periódicos científicos. Por ela agradecemos.

1.1. Normas de apresentação da bibliografia

As referências bibliográficas devem ser localizadas no corpo do texto e das notas. Seguem a forma (Autor Ano) ou (Autor Ano:Página), como no exemplo (Mauss 1960:32). Se houver mais de um título do mesmo autor no mesmo ano, eles serão diferenciados por uma letra após a data, como no exemplo (Mauss 1960a; Mauss 1960b).

A bibliografia, ao final do texto, obedece às seguintes regras:

Livro: SOBRENOME do autor, prenome. (data), Título da Obra. Local de publicação: editora, número da edição se não for a primeira.
WEBER, Max. (1965), The Sociology of Religion. Boston: Beacon Press, 2° ed.

Artigo: SOBRENOME do autor, prenome. (data), “Título do artigo”. Título do periódico, número da edição: páginas.
LATOUR, Eliane. (1996), “Os tempos de poder”. Cadernos de Antropologia e Imagem, n° 3: 35-52.

Coletânea: SOBRENOME do autor, prenome. (data), “Título do capítulo”. In: iniciais do nome seguidas do sobrenome do(s) organizador(es). Título da coletânea. local de publicação: editora, n° da edição se não for a primeira.
BELLAH, Robert. (1979), “New Religious Consciousness and the Crisis in Modernity”. In: P. Rabinow (ed.). Interpretative Social Science: a Reader. Berkeley: University of California Press.

Teses acadêmicas: SOBRENOME do autor, prenome. (data), Título da tese. Local: Grau acadêmico a que se refere, instituição em que foi apresentada.
GUIMARÃES, Patrícia. (1997), Ritos do Reino de Deus: pentecostalismo e invenção ritual. Rio de Janeiro: Dissertação de Mestrado em Antropologia Social, UERJ.

2. Para submissão de resenhas e ensaios visuais

 

Seção dedicada à publicação de ensaios autorais e críticos que apresentem novas contribuições na abordagem científica de temas relevantes à Religião & Sociedade. Serão aceitas análises de obras e produções visuais recentes e que decorram de pesquisas originais na área das ciências sociais, humanas e artes, em conexão com o tema da religião em suas múltiplas possibilidades de expressão e abordagem.

As Resenhas críticas podem apresentar obras recentes (no máximo cinco anos), sejam livros acadêmicos ou de literatura, documentários e vídeos etnográficos, fotolivros, exposições e outras produções científicas e culturais. Deve-se indicar a conexão e contribuição da obra analisada aos debates mais recentes de Religião & Sociedade.

As resenhas podem dar lugar a discussões críticas a respeito da interpretação dos fatos, dos métodos adotados ou das escolhas teóricas propostas. Para preservar a clareza textual, recomenda-se reunir os comentários críticos em uma parte específica, após o resumo propriamente dito. Resenhas contendo críticas alusivas (não fundamentadas) e ataques pessoais serão desconsideradas.

A partir dos critérios indicados acima, a avaliação poderá ter três resultados: “resenha aprovada”, “resenha aprovada com modificações” e “resenha recusada” (sem reapresentação). Os dois últimos resultados serão comunicados com um breve parecer.

Pede-se que o(s) autor(es) dê(em) um título à resenha disponível em português e inglês. A referência bibliográfica da obra resenhada deverá vir no início, de acordo com as normas relativas à submissão de artigos: SOBRENOME do autor, prenome. Título da obra. Local de publicação: editora, data, no. da edição se não for a primeira, no. de páginas. Por exemplo, GEERTZ, Clifford. A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1989, 325pp. Outras obras citadas na resenha devem ter suas referências completas apresentadas em nota ao final do texto.

 

Os Ensaios Visuais – de fotografia, desenho etnográfico ou artes visuais – devem resultar de pesquisas circunstanciadas e em conexão com debates pertinentes ao perfil da revista. As imagens (em 300 dpi) serão acompanhadas por um texto e, opcionalmente, por legendas, apresentando as condições de elaboração do ensaio, sua poética e metodologia. Também devem apresentar título, resumo e palavras-chave em inglês.  A submissão demanda, por parte dos autores, o envio complementar de uma declaração assinada, autorizando a publicação das imagens e se responsabilizando pelo direito de uso das mesmas. A declaração deve ser anexada como “documento suplementar” no momento da submissão.

O texto de Resenhas e Ensaios Visuais deve ter entre 1.000 e 2.000 palavras, incluindo referências bibliográficas e título. As submissões serão avaliadas pela Editoria e pela Comissão Editorial, que poderão solicitar parecer específico se assim for considerado pertinente.

Todas as colaborações devem ser submetidas através da plataforma da revista Religião & Sociedade no SciELO: http://submission.scielo.br/index.php/rs

3. Direitos autorais, exclusividade e licença CC-BY

Ao submeter um artigo ou resenha, os autores se comprometem a não enviar o mesmo a outro periódico durante o processo de avaliação. Inversamente, a Revista não acolhe artigos que ainda estejam em avaliação em outros periódicos. A Revista tampouco acolherá duas avaliações simultâneas de um mesmo autor, entendendo que configura simultaneidade a submissão de novo artigo enquanto outro ainda não foi publicado ou recusado.

A submissão de qualquer colaboração implica automaticamente a cessão integral dos direitos autorais à Religião & Sociedade, inclusive de tradução, caso o artigo seja aprovado para publicação. Os autores são autorizados a reproduzir seus artigos, desde que a fonte original (Relig. Soc.) seja citada.

A Revista adota licença CC-BY utilizada internacionalmente pelos principais periódicos e publicadores de acesso aberto, em concordância com o SciELO. Tal licença maximiza a disseminação dos artigos. Entende-se que todo autor de artigo publicado na Religião & Sociedade concorda com o uso desse tipo de licença.

4. Originalidade e plágio

Todos os artigos aprovados na primeira etapa serão submetidos a teste de plágio e “autoplágio” ou republicação (publicação como material inédito de textos já publicados). Eventuais casos de má prática serão examinados e decididos pela Comissão Editorial. As opiniões emitidas em artigos assinados e a integridade do conteúdo dos artigos são de absoluta responsabilidade dos seus autores.

Estas normas seguem as Diretrizes Básicas para a Integridade na Atividade Científica do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq e os Princípios de Transparência e Boas Práticas em Publicações Acadêmicas do Committee on Publication Ethics - COPE e da ABEC BRASIL - Diretrizes do CSE para promover integridade em publicações de periódicos científicos. 

Todas as colaborações devem ser encaminhadas pelo site do SciELO. Disponibilizamos também um endereço eletrônico da revista religiaoesociedade@iser.org.br para casos de dúvidas.

Todos os artigos publicados na revista desde seu lançamento em 1977 estão disponíveis em www.scielo.com.br/rs e em www.iser.org.br.

Artigos

Política padrão de seção

Resenhas e Ensaios Visuais

Política padrão de seção

CHAMADA ENCERRADA: Dossiê Religião e políticas públicas

Dossiê Religião e políticas públicas: entre extremismos e resistências

Envio de artigos até 07 de novembro de 2022.

CHAMADA ENCERRADA: Dossiê Processos de conversão religiosa

ORGANIZADORES: Cesar Teixeira (IFCS/UFRJ), Christina Vital (PPGS/UFF), Diogo Corrêa (PPGSP/UVV) e Lívia Reis (PPGAS/MN/UFRJ)

Neste dossiê convidamos à reflexão sobre processos de conversão em suas dimensões sensoriais, estéticas e políticas. A categoria conversão como metanoia ou reorientação da alma tem uma longa trajetória na filosofia e na teologia. No âmbito da sociologia e da antropologia, os estudos sobre conversão vêm enfatizando a complexidade deste momento de transformação em termos de seus sentidos, mediações, performances e narrativas. O conjunto complexo de análises proposto neste campo aponta para a existência de processos que, como tais, se estendem ao longo de períodos, às vezes, indeterminados e cheios de contradições. Para esta chamada, esperamos a contribuição de autoras e autores, no enquadramento das ciências sociais, sobre conversão religiosa a partir de pesquisas que lhes permitam observar as dimensões sensoriais (ao mesmo tempo corpóreas e emocionais) experimentadas pelos sujeitos e as mediações exercidas por humanos e não-humanos neste processo. Reflexões que acentuem perspectivas estéticas e políticas destas conversões também compõem o interesse deste dossiê. Uma atenção especial recairá sobre propostas que deem conta de pensar comparativamente estes processos de conversão antes e durante a pandemia de covid-19, destacando a ampliação de recursos digitais (entre outros) neste período.

Envio de artigos até 31.10.2020

CHAMADA ENCERRADA: Dossiê Religi˜oes e Pandemia

Organizadores: Carly Machado (PPGCS/UFRRJ) e Mariana Côrtes (PPGCS/UFU)

 

A pandemia da Covid-19 provocou acontecimentos e experiências inéditas em  todo o mundo, atingindo corpos, mentes, afetos, comportamentos, práticas e projetos. Diante de tantas instabilidades, formulações de projetos de esperança, expressões de medo, empreendimentos solidários, rearranjos institucionais, alterações nos modelos de relações sociais, implementação de novas práticas de trabalho, acentuação de desigualdades, formulações de soluções e problemas tecnológicos, debates envolvendo o negacionismo científico e o endeusamento da ciência, bem como a acentuação de conflitos políticos, entendemos os estudos de religião como um relevante campo de análise dos processos sociais e culturais em andamento, e de seus possíveis impactos nos tempos pós-pandemia. Este dossiê convida pesquisadoras e pesquisadores a encaminharem artigos focados especificamente sobre a questão da religião em tempos de pandemia. Esperamos contribuições que discutam religião e espaço público, a relação entre religião e saúde, religião e ciência, religião e política, religião e economia, religião, mídia e tecnologia, questões relativas às instituições religiosas, seus rituais e práticas de enfrentamento da pandemia, debates metodológicos sobre pesquisas de religião durante a pandemia, enfim, diversas dimensões do estudo sobre religião, desde que tenham sido impactadas pela pandemia da Covid-19, e seus efeitos.

Envio de artigos até 15.12.2020

CHAMADA ENCERRADA: Dossiê Religião e Raça

Dossiê Religião e Raça

Organizadoras: Lívia Reis (PPGAS/MN/UFRJ) e Jacqueline Teixeira (USP/Cebrap)

A racialização operada pelo ideal de embranquecimento vem sendo contestada há algumas décadas e aponta para a importância dos processos de ressignificação no qual a categoria raça se apresenta como fonte de exclusão, sujeição ou subalternidade, mas também como lugar de reconhecimento de pessoas negras como sujeitos políticos, visibilizando movimentos de resistência e abrindo espaço para novas epistemes. Esses movimentos vêm acompanhados de um maior protagonismo nas produções intelectuais e que a Religião & Sociedade pretende incentivar. É sabido que no Brasil a presença negra forneceu elementos centrais para a constituição de uma identidade nacional, incluindo práticas e símbolos mágico-religiosos, cuja relevância foi violentamente negada, apagada ou reprimida pela hegemonia católica. Mais recentemente, as transformações provocadas pelo crescimento pentecostal, cujo rosto é predominantemente negro, acrescentaram a essa dinâmica elementos que revelam o caráter elástico das formas de discriminação bem como as sutilezas e ambivalências desse operador social.

Este dossiê tem como objetivo reunir artigos cujo foco recaia sobre práticas e discursos religiosos nos quais a categoria raça seja mobilizada em seus sentidos histórico, político e cultural, em diferentes contextos nacionais. Interessam-nos contribuições que abordem as formas pelas quais tal categoria se articula a noções como direitos, identidades, movimentos sociais e migratórios, patrimônio e ideologias políticas. Reflexões que abordem a temática a partir de perspectivas pós-coloniais, decoloniais, de estudos subalternos ou pós-ocidentais também compõem o interesse do dossiê, além daquelas que se atenham a dinâmicas de intolerância e racismo religiosos.

CHAMADA ENCERRADA: Dossiê Comida e Sagrado

Religião & Sociedade

Chamada para artigos

Dossiê – Comida e Sagrado 

Neste dossiê convidamos à reflexão sobre processos de elaboração, distribuição, consumo, proibições e demais concepções e ações em torno de alimentos, que promovam a aproximação entre comida e sagrado. A comida é um tema de grande visibilidade, através da multiplicação de reality shows, programas de culinária, cursos de gastronomia, movimentos vegetarianistas e de slow food, debates sobre agroecologia e certificação, políticas públicas de nutrição e segurança alimentar e comercialização de produtos orgânicos. No âmbito acadêmico, chama atenção o florescimento da área interdisciplinar dos Food Studies. Porém, uma zona de contato ainda pouco explorada é a interface desses campos com o sagrado, num sentido amplo. Nas mais diferentes religiões, a comida (ou sua privação) assume uma dimensão fundamental seja em termos da produção de sociabilidades e hierarquias, seja em situações rituais, relacionando-se a modos de fazer religião. Ela envolve-se também em processos de sacralização do corpo, dos seres vivos, da natureza ou em noções de doença e cura, pureza e perigo, relevantes não só entre linhagens religiosas demarcadas, mas em associação com espiritualidades difusas. Portanto, é interesse deste dossiê reunir investigações que tratem de assuntos como tabus alimentares, sacrifícios, padrões dietários, preparações culinárias e corporais, abates religiosos e consumos rituais, patrimonializações do saber-fazer culinária religiosa, alimentação e cura (entre o físico e o espiritual) e outros temas conexos, no âmbito das ciências sociais, em que religião e sagrado, num sentido amplo, estejam associados.

 

Organizadores: Renata Menezes (MN/UFRJ), Joana Bahia (PPGHS/UERJ), Gisele Fonseca Chagas (PPGA/UFF), Christina Vital (PPGS/UFF).

Data limite de envio prorrogada: 01 de dezembro de 2021

CHAMADA ENCERRADA: Dossiê Religiões e (contra)monumentos

Dossiê Religiões e (contra)monumentos.
 
O dossiê busca reunir artigos que analisam os usos políticos, materiais e estéticos de artefatos monumentais e processos de (de)monumentalização relacionados à religião.
São bem-vindos estudos que pensem essas questões a partir de monumentos e contra-monumentos laicos ou religiosos, arquiteturas, imagens em diferentes mídias, logradouros, memoriais, documentos, iniciativas subalternas e contra estatais, intervenções de arte pública, performances, etc. considerando sua (i)materialidade em conexão com sentidos ou apropriações religiosas.
 
Organizadores:
Edilson Pereira, Universidade Federal do Rio de Janeiro
Roberto Conduru, Southern Methodist University
Thais Waldman, Universidade de São Paulo
 
Envio de artigos até 19 de junho de 2023.

CHAMADA ABERTA: Dossiê Religião, Espiritualidade e Ambiente

Neste dossiê esperamos reunir artigos que tenham como foco as relações entre religião, espiritualidade e ambiente, a partir de experiências, rituais, comunidades, práticas de saúde, medicinas, da análise de políticas públicas e legislações, da elaboração de técnicas e modos de habitar e produzir, entre outros aspectos da vida, que estão reconfigurando o campo religioso contemporâneo.

A irrupção de eventos de risco naturais em escalas locais e planetárias, associadas à crise climática e ao aquecimento global, nos situa num “tempo de catástrofes” (Stengers) e num “mundo em ruínas” (Tsing), que colocam em risco um futuro comum e nossas utopias terrenas. A proposta de um “bem viver”, alinhada com uma concepção de sagrado imanente e ecológico, tem sido vista e praticada como uma das respostas possíveis a esta crise de grandes proporções.

Se, por um lado, a experiência religiosa ocidental se instituiu hegemonicamente a partir da concepção de um sagrado que se situa fora deste mundo, como uma divindade transcendente, por outro, verificamos, nas últimas décadas, que essa hegemonia tem sido questionada pela emergência de espiritualidades que reposicionam o sagrado na imanência do mundo, como energias e forças da natureza. Este deslocamento tem posto em curso processos de sacralização da natureza e de naturalização do sagrado.

No âmbito desses processos, interessa-nos discutir a emergência de novas formas de configuração institucionais que estas espiritualidades engendram e sua incidência no interior das matrizes religiosas existentes fazendo emergir, muitas vezes, forças latentes de imanência que foram reprimidas. Ao mesmo tempo, busca-se compreender como acontece, no curso desses processos, a constituição de um certo habitus ecológico e espiritual que se expressa na formação moral dos indivíduos, em estilos de vida singulares e em modos diferenciados de se posicionar no mundo. Portanto, a perspectiva que se pretende destacar, neste dossiê, é o da convergência entre ecologias, cosmologias e espiritualidades. Esta convergência, por sua vez, aponta para um novo encantamento em que natureza, sagrado, espírito, corpo, casa (Oikos), território, sujeito e mundo aparecem como continuidades que pertencem a um mesmo organismo vivo: Gaia, Terra, Planeta, Cosmos, ou simplesmente, Ambiente.

Para mapear esse rico campo de reflexão abrimos essa chamada para artigos inéditos que sejam fruto de pesquisas empíricas e/ou documentais no âmbito das ciências sociais em interface com os estudos ambientais, com a área da educação e correlatas, sobre possíveis conexões, intersecções e configurações entre religião, espiritualidade, ambiente e ambientalismo.

Organizadores:
Christina Vital da Cunha, Universidade Federal Fluminense
Isabel Cristina de Moura Carvalho, Universidade Federal de Minas Gerais
Carlos Alberto Steil, Universidade Federal do Rio Grande do Sul; Universidade Estadual de Campinas
Clemir Fernandes, Instituto de Estudos da Religião

Data limite de envio: 05 de janeiro de 2024.

Mídias digitais e as fronteiras do religioso

A proposta deste Dossiê é reunir estudos atentos aos processos que emergem nas fronteiras entre religiosidades e tecnologias digitais. Compreender fenômenos que decorrem de encontros e disputas em zonas de fronteira constitui um campo de questões significativo do fazer antropológico e suas relações com outras disciplinas, a partir dos saberes etnográficos. Entre análises mais clássicas que provocam estas reflexões, encontramos contribuições fundamentais a respeito de práticas rituais e relações entre pessoas e coisas. Perspectivas contemporâneas atualizam este debate conferindo ênfase às materialidades, às mídias e às mediações. Além disso, intensificam análises sobre as fronteiras do religioso e do secular, com destaque às formações do secular, e extrapolam recortes institucionalizados que fixam pertencimentos de fé a espaços físicos delimitados. No âmbito dos estudos brasileiros, destacam-se trabalhos que buscaram qualificar o debate sobre o conceito de campo religioso, buscando ampliá-lo, e questões sobre religião, poder e espaço público. Pesquisas recentes sobre mídias digitais e as fronteiras do religioso participam deste processo reflexivo não apenas como um recorte empírico de estudo, mas levantam outras questões sobre práticas e sentidos compartilhados em cotidianos religiosos, profundamente implicados por dinâmicas contemporâneas de copresença entre online e offline. 

 

Este dossiê pretende reunir trabalhos que se dediquem a pensar sobre modos como diferentes religiosidades vem produzindo novos sujeitos em dinâmicas digitais, com abordagens principalmente ancoradas nas seguintes ênfases: 1) usos de dispositivos móveis, tecnologias digitais e políticas algorítmicas incidentes nos arranjos entre religião, gênero, raça, classe e outros marcadores sociais da diferença; 2) reconfigurações comunitárias e seus efeitos em estruturas eclesiásticas e congregacionais; 3) desafios para legitimidades e pertencimentos de práticas consideradas "não religiosas" e suas disputas com as institucionalidades; 4) dinâmicas das subjetividades e das moralidades no cotidiano religioso; 5) estéticas e performatividades em conformações da política contemporânea; 6) debates sobre regimes de autoridade religiosa nas mídias sociais; 7) abordagens sobre humor, escárnio e deboche públicos direcionados a sujeitos e coletividades religiosas; e 8) modelos de produção da idolatria em interações sociotécnicas. 

Proponentes: 

Carly Machado (UFRRJ)

Lorena Mochel (UFRRJ)

Prazo de submissão: 06 de Maio de 2024.

Política de Privacidade

Os nomes e endereços informados neste periódico serão usados exclusivamente para os serviços prestados por esta publicação, não sendo disponibilizados para outras finalidades ou a terceiros.