ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DESAGREGADAS POR PARCEIROS COMERCIAIS

UMA CONTRIBUIÇÃO À LÓGICA ESTRUTURALISTA-KALDORIANA

Autores

  • Joilson de Assis Cabral Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (DeCE/ICSA) e Universidade Federal do Rio de Janeiro (PPE/COPPE) http://orcid.org/0000-0002-6304-0195
  • Filipe da Silva Programa de Pós-Graduação em Economia da Indústria e da Tecnologia/ Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Carmem Feijo Programa de Pós-graduação em Economia / Universidade Federal Fluminense
  • Maria Viviana Cabral Programa de Pós-graduação em Economia Regional e Desenvolvimento/Universidade Federal Rural do RIo de Janeiro
  • Daniel Oliveira Programa de Pós-graduação em Gestão e Estratégia / Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Resumo

Para Kaldor, o ciclo virtuoso de crescimento em uma economia iniciaria com o aumento das exportações de produtos de alta intensidade tecnológica. Tendo em vista o aumento das exportações brasileiras no primeiro quinquênio dos anos 2000, este trabalho analisou a importância das relações comerciais na ótica estruturalista-kaldoriana. Para tanto, foi utilizada a metodologia de insumo-produto com as exportações brasileiras desagregadas para o MERCOSUL e países de renda alta. Os resultados evidenciaram que um aumento nas exportações dos países de renda alta e totais impactaram o setor de commodities. Quando o aumento das exportações é decorrente do MERCOSUL, os setores mais impactados são os de alta e média intensidades tecnológicas. Estes achados implicam que uma maior integração comercial com os países vizinhos latino-americanos, cuja estrutura produtiva possui maturidade tecnológica similar, pode ser uma estratégia para desencadear o ciclo virtuoso kaldoriano tanto no Brasil quanto para outros países da América Latina.

Biografia do Autor

Joilson de Assis Cabral, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (DeCE/ICSA) e Universidade Federal do Rio de Janeiro (PPE/COPPE)

Professor do Departamento de Ciências Econômicas da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Doutor em Planejamento Energético pelo PPE/COPPE/UFRJ, Mestre em Economia Aplicada pelo PPGEA/FE/UFJF.

Filipe da Silva, Programa de Pós-Graduação em Economia da Indústria e da Tecnologia/ Universidade Federal do Rio de Janeiro

Graduado em Ciências Econômicas pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro e Mestrando no Programa de Pós-Graduação em Economia da Indústria e da Tecnologia na Universidade Federal do Rio de Janeiro

Carmem Feijo, Programa de Pós-graduação em Economia / Universidade Federal Fluminense

Docente Permanente do Programa de Pós-graduação em Economia da Universidade Federal Fluminense e Pesquisadora do CNPq.

Maria Viviana Cabral, Programa de Pós-graduação em Economia Regional e Desenvolvimento/Universidade Federal Rural do RIo de Janeiro

Coordenadora do Programa de Pós-graduação em Economia Regional e Desenvolvimento e Docente Permanente do Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Territorial e Políticas Públicas ambos da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Daniel Oliveira, Programa de Pós-graduação em Gestão e Estratégia / Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Docente Permanente do Programa de Pós-graduação em Gestão e Estratégia da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Publicado

2022-04-05